Equipa

Daniel Martinho nasceu em Luanda, Angola, em 1962. Tem o Curso do Instituto de Formação, Investigação e Criação Teatral (IFICT) e a Licenciatura da Escola Superior de Teatro e Cinema. Em teatro trabalhou com encenadores como Adolfo Gutkin, Rogério de Carvalho, Luís Miguel Cintra, Carlos Avilez, José Peixoto, Celso Cleto, Miguel Seabra, António Simão ou Natália Luiza. Trabalha regularmente com o Teatro Meridional e o Teatro dos Aloés. É actor residente do Teatro GRIOT desde a sua formação tendo participado em peças encenadas por Zia Soares, Rogério de Carvalho, Bruno Bravo, António Pires e Paula Diogo. É membro fundador e actual vice-presidente da GRIOT- Associação Cultural. 

Em cinema participou em filmes de vários realizadores como Luís Filipe Rocha, Alain Tanner, Samuel Fuller, Jorge Silva Melo, Jorge António ou Pocas Pascoal, participou também nos documentários “O Lugar que Ocupas”, realização de Pedro Filipe Marques e “TEMPESTADES, Ensaio de um Ensaio” de Uli Decker. Em televisão participou em diversas novelas e séries, como “Olhos de Água”, “Equador”, “O Regresso a Sizalinda”, “A Outra” ou “A Única Mulher”.

Matamba Joaquim nasceu em Luanda, Angola, em 1982. Tem o Curso de Teatro pelo Instituto Nacional de Formação Artística de Luanda. 

É actor residente do Teatro GRIOT desde a sua formação tendo participado em peças encenadas por Zia Soares, Rogério de Carvalho, Nuno M Cardoso, Guilherme Mendonça, António Pires, João Fiadeiro e Paula Diogo. É membro fundador e actual presidente da GRIOT - Associação Cultural.

Em teatro colaborou como actor com a companhia Mala Voadora no espectáculo “Moçambique” de Jorge Andrade. 

É membro permanente da Academia Portuguesa de Cinema. Participou nos filmes “Capitão Falcão” de Pedro Leitão, “A Ilha dos cães” de Jorge António, “Before Dawn”, de Maria Schrader, “Comboio de sal e açúcar” de Licínio de Azevedo, “Um animal amarelo” de Felipe Bragança; nas curta-metragens “Chess” de Mário Melo Costa, “Libélula” de Ana Carvalho, “Noite em claro” de Felipe Bragança; e no documentário “O Lugar que Ocupas”, de Pedro Filipe Marques. Em 2018 foi distinguido como Novo Talento de Cinema da Fundação GDA, pelo seu desempenho no filme “Comboio de Sal e Açúcar” de Licínio Azevedo.

Em televisão participa com frequência em novelas e séries, como, “Makamba Hotel”, “O Preço da Ambição”, “O Voo Directo” ou “Amor Maior”. É guionista das séries “Ti Xico”, “Lembranças de Guerra”, “Arquitectos” e “Professor Caramba”. Tem dois livros editados, “O Sul sem ti” e “Dois Corvos Amarelos” co-escrito com Bernardete Pinheiro.

Gio Lourenço nasceu em Luanda, Angola, em 1987. Tirou o Curso de Teatro e Animação da CERCICA. Actualmente integra o Centro Em Movimento através duma bolsa do CNC. 

Em teatro, trabalhou com os encenadores Adriano Luz, José Carretas, Maria Amélia Videira e Genoveva Faísca. Foi actor convidado da Companhia de Teatro de Montemuro durante um ano e meio. É actor residente do Teatro GRIOT desde a sua formação, tendo participado em peças encenadas por Zia Soares, Rogério de Carvalho, Nuno M Cardoso, Guilherme Mendonça, Bruno Bravo, António Pires, João Fiadeiro e Paula Diogo. Em televisão participou em séries como “Equador”, “Inspector Max”, “Ele é Ela”. Participa, ainda, como bailarino em vários videoclips. No cinema, participou nas curta-metragens “Filmes e Telemóvel” de Adriano Luz, “Verdade Inconveniente” de Pedro Sebastião e Paulo Cuco, nos documentários 

“O Lugar que Ocupas”, realização de Pedro Filipe Marques, e “TEMPESTADES, Ensaio de um Ensaio” de Uli Decker, e na longa metragem, “A Ilha dos cães” de Jorge António.

Zia Soares nasceu no Bié, Angola, em 1972. Frequentou o curso de Filosofia da FLUL e frequenta o mestrado de Artes Cénicas da FCSH/UNL. No início do seu percurso artístico passou pelo ballet e percussão com a Companhia de Ballet da Guiné-Bissau, pelas artes circenses com a Amsterdam Balloon Company e pelo teatro com a Companhia de Teatro “Os Sátyros”, de São Paulo, Brasil. 

É uma das actrizes fundadoras do Teatro Praga, onde trabalhou de 1994 até 2000, como encenadora e actriz.

É directora artística e actriz do Teatro GRIOT, tendo participado em peças encenadas por Rogério de Carvalho, Nuno M Cardoso, Bruno Bravo, António Pires, Paula Diogo e pela própria. 

É autora e encenadora das performances “Gestuário I”, produção INMUNE (Instituto da Mulher Negra em Portugal) e “Gestuário II”, co-produção INMUNE/BoCA - Biennial of Contemporary Arts.

Em cinema trabalhou com Pocas Pascoal, João Botelho, Pedro Filipe Marques, Uli Decker e Romain Cauchois.

Rogério de Carvalho nasceu na Gabela, Angola, em 1936. É professor e encenador. Tem o Curso de Teatro/ Formação de Actores  pela Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa. Foi professor na Academia Contemporânea do Espectáculo do Porto, na Escola Superior de Teatro e Cinema e na ACT-Escola de Atores. Ao longo de mais de 40 anos de carreira encenou peças de autores que fazem parte da dramaturgia clássica e contemporânea e colabora com várias companhias de teatro em Portugal e em África.

Trabalha com o Teatro GRIOT desde 2011, tendo encenado as peças “Faz escuro nos olhos”, As Confissões Verdadeiras de um Terrorista Albino”, “OS NEGROS” e “Posso saltar do meio da escuridão e morder”.

Foi distinguido com o "Prémio Almada" em 2001 e com o "Grande Prémio da Crítica" em 2012.

Chullage/soundslikenuno nasceu em Lisboa, Portugal, em 1977. Tem a pós-graduação em Sound Desing For Theatre pela Royal Academy of Dramatic Arts, em Londres. É licenciado em Sociologia do Trabalho pelo ISCSP-UTL. Tem formação profissional pela Restart em Som e Produção Musical, Motion Graphics e Edição Criativa de Vídeo. É rapper, poeta, dizedor, sound designer, produtor e técnico de som. Colabora com outros artistas, participa em discos e compilações e tem centenas de apresentações ao vivo. Compôs para curtas metragens e teatro. Integra o Teatro GRIOT desde 2013 como compositor e sound designer. Colabora frequentemente com os artista VHILS e Mónica de Miranda. Dinamiza os workshops de escrita criativa P.A.L.A.V.R.A (Para Alimentar Letras Atitudes Vozes e Ritmos Activistas), de Som e Produção Musical com varias escolas e instituições. Pertence à Khapaz onde implementou vários projetos de intervenção comunitária. É activista anti-racista, colabora com a Plataforma Gueto.

Miguel Sermão nasceu em Luanda, Angola, em 1974. Frequentou os cursos de Fotografia (Arco), Ciências da Comunicação (UNI), Tradução e Escrita Criativa (Lusófona) e Teatro e Animação Social na escola de formação da Comuna Teatro de Pesquisa, onde é  actor residente. 

É actor, contador de histórias, formador na área de expressão dramática para infância e juventude, encenador, dialogue coach, e director de actores para televisão. 

É membro fundador e actual vogal da GRIOT- Associação Cultural, e formador do PIC (Projecto de Intervenção com a Comunidade). Em teatro trabalha com vários encenadores, destacando-se João Mota, João Garcia Miguel, Álvaro Correia, Alfredo Brissos, Miguel Seabra, Feruccio Soleri, Luca Aprea e Rogério de Carvalho. No cinema trabalhou com Luís Galvão Teles, Jorge António, Fabrício Costa, Pedro Costa, Edgar Pera, Jorge Silva Melo, Pedro Sena Nunes, Jorge António, entre outros. Em televisão participa em várias novelas e séries.

Neusa Trovoada nasceu em Benguela, Angola, em 1973. É licenciada em design de Comunicação pela Escola Superior de Artes e Design (ESAD) Matosinhos/Porto. 

Integra o Teatro GRIOT desde 2018 como cenógrafa, figurinista e designer gráfica.

Desenvolve trabalhos de design, artes visuais, concept food, programação cultural, branding, instalação e promoção de eventos com várias entidades em Portugal, Reino Unido, Angola, Cabo-verde, São Tomé e Príncipe, Espanha e Canadá.

Mentora e co-fundadora de diversos projectos, procura incessantemente, invocar o diálogo entre o design e a intuição artística. Viveu e trabalhou no Reino Unido, onde desenvolveu trabalhos em identidade corporativa, design editorial, sinalética e ilustração.

Colaborou com o INMUNE - Instituto da Mulher Negra em Portugal como directora do Departamento de Comunicação e Relações Internacionais.

Sofia Berberan nasceu em Lisboa, Portugal, em 1980. Estudou fotografia no IPF e Filosofia na Universidade Nova de Lisboa, onde frequenta o Mestrado em Artes Cénicas. Integra o Teatro GRIOT desde 2014 como fotógrafa. 

Estagiou em fotografia de cena no Teatro da Garagem e trabalhou com Susana Borges, Paulo Lage e Patrícia Carreira. Trabalhou para a Editora Difference, fazendo os libretos das cantoras Ana Laíns e Inês Duarte, fez, na mesma editora, as fotografias do CD|Livro Fado, Ontem, Hoje e Amanhã. Em produção trabalhou com Carlota Lagido, Teatro Bruto, Pietro Romani e Kale Companhia de Dança. Deu aulas de fotografia no CED Maria Pia e ministrou workshops na Voz do Operário, Teatro Bocage e Pavillhão do Conhecimento. Já expôs em Lisboa, Cabo Verde e Londres.