Os nossos corpos já não são organismos naturais, são arquitecturas, ficções. Pressentimos nessa noite

o lugar do Teatro GRIOT: o palco como lugar de ensaio, experimentações autobiográficas cuja verdade permanece intratável, fugidia, emancipada. Um lugar onde ensaiamos o gesto e a desobediência lúcida.