A Raça Forte

The Strong Breed (A Raça Forte) é uma das peças mais conhecidas de Wole Soyinka. É uma tragédia que termina com o sacrifício de um indivíduo para o bem de uma comunidade. A peça está centrada na tradição de um festival Yoruba, onde o bode expiatório da vila carrega o mal da comunidade e é exilado da civilização.

A peça, que tem uma carga simbólica muito forte, sugere que a morte é uma marca crucial na luta entre a vontade do indivíduo e a de toda a comunidade. Há uma corrente subterrânea de ideologia repressiva, que opera sob o ritual. Confronta a tradição com a contemporaneidade e é um símbolo da emergência de uma nova cultura em África.

Nuno M Cardoso, encenador

"O Destino de um Estranho

Decisões tomadas por um Estranho levam-no em direcção ao seu Destino trágico. Decisão e Destino. 

Estes conceitos, ao conjugarem-se com a ideia de colapso da perpetuação de um ritual tradicional, conduzem a um choque entre duas diferentes culturas, tempos e maneiras de pensar. Um espaço cénico praticamente despojado, corpos, luzes, sons,

interacções e conflitos carregados de sentido, marcam a luta entre a vontade do indivíduo e de toda uma comunidade."

Texto Wole Soyinka

Versão cénica Nuno M Cardoso

Encenação Nuno M Cardoso

Tradução Carina Rosas

Actores Ana Rosa Mendes, Angelo Torres,

Gio Lourenço, Margarida Bento,

Matamba Joaquim, Susana Sá, Zia Soares

Guarda–roupa Rosário Moreira

Sonoplastia Nuno M Cardoso

Fotografia Bruno Carvalho, Mário Melo Costa

Vídeo Mário Melo Costa

Design gráfico Mário Melo Costa